Ouça agora na Rádio

Tecnologia

Compartilhe agora

Apple Watch salva usuária que 'não percebeu' ataque cardíaco

Postado em 06/07/2021 por Sistema Plug

img-page-categoria

Fonte imagem capa:Imagem: Pixabay

Depois de identificar a queda de um usuário idoso e acionar o serviço de emergência, o Apple Watch ajudou a salvar mais uma vida em perigo nos Estados Unidos. Desta vez, o relógio inteligente da Maçã alertou uma mulher sobre a ocorrência de um possível ataque cardíaco, conforme relato do canal WZZM nesta segunda-feira (5).

Moradora de Norton Shore, no estado de Michigan, Diane Feenstra recebeu um alerta de 169 batimentos cardíacos por minuto do seu gadget. Desconfiada, pois não estava fazendo nenhum exercício, ela ligou para o médico, que a encaminhou imediatamente ao hospital.

Ao fazer um eletrocardiograma, o resultado foi surpreendente: ela sofreu um ataque cardíaco, mas não percebeu. No mesmo dia, Feenstra havia sentido dores no ombro, na mão esquerda e no peito, sintomas associados ao infarto, mas ignorou os sinais e só tomou uma atitude após a notificação do dispositivo da Apple.


OsOs sintomas do ataque cardíaco em mulheres podem ser diferentes dos experimentados pelos homens.

Fonte:  Unsplash 

Exames realizados nos dias seguintes permitiram aos médicos descobrir que a mulher tinha uma artéria entupida, precisando passar por um implante de stent, um tipo de tratamento para a doença arterial coronariana. O caso ocorreu em abril, quando houve o procedimento, e atualmente ela passa bem.


Não subestime os sintomas

A usuária salva pelo alerta de batimentos do Apple Watch disse que ninguém deve subestimar os sinais do corpo ou da tecnologia. “É tão fácil conferir sua frequência cardíaca. Se eu não tivesse feito isso naquela manhã, poderia ter sofrido outro ataque cardíaco fatal”, comentou.

Para manter a saúde em dia, ela se exercita, tem uma alimentação saudável e toma suco verde diariamente, além de contar com o auxílio do relógio, que foi um presente do marido um mês antes do problema.

Segundo a Associação Americana do Coração, apenas 12% das pessoas sobrevivem a um ataque cardíaco de “Widowmaker”, como o caso de Feenstra, quando ele acontece fora de um ambiente hospitalar.