Ouça agora na Rádio

Tecnologia

Compartilhe agora

NASA: cientistas tentam explicar o mistério do metano em Marte

Postado em 06/07/2021 por Sistema Plug

img-page-categoria

Fonte imagem capa:Imagem: NASA/Divulgação

Mesmo vendo imagens em alta definição do planeta Marte, remetidas pelo rover Perseverance desde fevereiro, algumas coisas ainda permanecem obscuras no planeta vermelho. Um desses mistérios é o motivo da existência de gás metano lá. Porém, antes dos cientistas se debruçarem sobre o problema, há mais um outro: por que alguns instrumentos enxergam o CH4 e outros não?

Aqui na Terra, quando queremos observar a produção de metano, basta ir a algum lugar que tenha gado. O gás é produto de micróbios que auxiliam diversos tipos de ruminantes a digerir as plantas. Chamado de metano entérico, cerca de 90% do gás produzido no sistema digestivo animal é expelido pela boca e pelas narinas, através da eructações.

Como não existe nenhum boi arrotando em Marte, a detecção de metano no planeta torna-se fascinante, pois isso significa que os micróbios que o produzem estiveram ou ainda estão vivendo lá. Naturalmente, isso não é uma certeza científica, pois processos geológicos, que envolvem interação de rochas, água e calor, também podem produzir o metano.


Tentando achar o metano em Marte para explicá-lo

Fonte:Fonte: NASA/Divulgação

Fonte:  NASA 

Antes que os cientistas consigam determinar a fonte desse metano misterioso, há outra pergunta a ser respondida: que metano? É que o rover Curiosity detectou a presença de metano várias vezes, acima da superfície da cratera Gale. Mas a sonda europeia ExoMars Trace Gas Orbiter não detectou nenhum traço do gás na atmosfera do planeta.

A precisão dos instrumentos utilizados está acima de qualquer suspeita. O espectrômetro de laser ajustável (TLS) do Curiosity é capaz de rastrear níveis microscópicos de oxigênio em trajes de astronautas. Já o ExoMars é considerado padrão ouro na medição tanto de metano como de qualquer tipo de gás no planeta.

Uma das teorias para a discrepância é que o TLS do Curiosity, que detecta o metano, só funciona à noite, quando a atmosfera do planeta está mais calma. Mas a detecção de gás do orbitador ExoMars só funciona com luz solar, cerca de cinco quilômetros acima da superfície, quando os níveis ínfimos de metano poderiam estar diluídos a níveis indetectáveis.